Canal de Ética & Compliance

Mas o que é compliance?

A palavra “compliance” vem do verbo em inglês “to comply”, que significa agir de acordo com uma ordem, um conjunto de regras ou um pedido. No ambiente corporativo, compliance está relacionada à conformidade ou até mesmo à integridade corporativa. Ou seja, significa estar alinhado às regras da empresa, que devem ser observadas e cumpridas atentamente.

Porém, essas regras podem variar de acordo com  as atividades desenvolvidas pela empresa e não se resumem apenas a casos de corrupção — elas podem envolver obrigações trabalhistas, fiscais, regulatórias, concorrenciais, entre outras. Estar em conformidade com tais regras é do que se trata a expressão “estar em compliance”, que também se refere aos controles internos e de governança corporativa.

Para resumir, compliance é o conjunto de medidas e procedimentos com o objetivo de evitar, detectar e remediar a ocorrência de irregularidades, fraudes e corrupção. Adotar posturas éticas está entre as principais preocupações de uma corporação que almeja o sucesso, seja uma empresa privada, de capital aberto ou até mesmo instituições associativas. Nos últimos anos, temos visto até mesmo partidos políticos preocupados com a questão de compliance.

Como o compliance surgiu?

O compliance surgiu a partir da legislação americana, com a criação da Prudential Securities, em 1950, a regulação da Securities and Exchange Commission (SEC), em 1960, e a criação do Foreign Corrupt Practices Act (FCPA), em 1977. Cerca de 25 anos depois, o Reino Unido criou o Bribery Act, e, em 2013, foi a vez do Brasil criar a lei 12.846, conhecida como lei anticorrupção.

A lei brasileira define a responsabilidade da pessoa jurídica por atos contra a administração pública. Tais atos incluem oferecer vantagem a agentes públicos, financiar ou custear a prática de atos ilícitos, e ocultar interesses ou a identidade dos beneficiários destes atos. A lei anticorrupção também define penalidades, como a perda de bens, suspensão de atividades, proibição de receber incentivos e doações, entre outras.

Com tudo isso, ficou ainda mais evidente a necessidade de prevenir, detectar e punir a ocorrência de irregularidades na nossa instituição. Mas essa tarefa não é fácil, pois demanda ações permanentes para:

  • – garantir o comprometimento da alta direção;
  • – criar e atualizar códigos de conduta e procedimentos;
  • – treinar funcionários;
  • – mudar estratégias de comunicação e controles internos;
  • – desenvolver novas avaliações e gestão de riscos
  • – dar resolutividade às queixas no canal de denúncias;
  • – monitorar de forma contínua, com investigações internas, due dilligence e         medidas disciplinares.
Frentes de Trabalho

O departamento de compliance do CEPP faz valer os conceitos de governança corporativa e avalia os valores e a conduta da empresa. As informações do Código de Conduta são cruzadas com os demais instrumentos de governança, criando ferramentas de monitoramento, de avaliação e de controle para não perdermos de vista os possíveis riscos e conflitos de interesse. Também criamos políticas escritas, fazemos inspeções e testes e oferecemos treinamentos. Ações disciplinares também são fundamentais, para que práticas irregulares sejam identificadas e punidas de imediato, evitando que tomem proporções maiores e ameacem a reputação da companhia.

No passado, funções de compliance estavam ligadas ao departamento jurídico. Mas o compliance envolve questões morais e éticas, além das questões legais, e riscos vários riscos além dos júrídicos, em todas as áreas da instituição, e deve contar com a participação de todos, e assim, novas áreas foram criadas para abrigar o tema, separadas e independentes da área jurídica, e a implementação da cultura de compliance depende fundamentalmente de ferramentas e recursos de comunicação, daí a ligação criada no CEPP, entre a comunicação e o compliance.

Hoje, as frentes de trabalho de compliance no CEPP podem ser elencadas como:

  • proteção de dados (LGPD);
  • prevenção à lavagem de dinheiro;
  • anticorrupção;
  • fraude;
  • privacidade;
  • monitoramentos;
  • Código de Ética;
  • integridade;
  • comunicação;
  • treinamentos;
  • avaliação de riscos internos;
  • transparência
  • atendimento imediato;
  • ouvidoria com canal de denúncias.

Após um período de monitoramento e a partir de informações obtidas, o dept. de compliance avalia os riscos e adota medidas cabíveis. 

Questões que englobam a Conduta Ética e a prevenção à lavagem de dinheiro, são alvo de treinamentos para reduzir riscos. Contudo, é fundamental analisar atentamente reclamações internas e externas através do nosso canal de denúncias, que é amplamente divulgado, e tomar medidas punitivas, quando necessário.

LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados entrou em vigor, e o CEPP já está adequado à nova realidade.

Regulamento de Proteção de Dados e uso de Redes


Todos funcionários devem
ler, assinar e treinar o nosso regulamento de proteção de dados e

Plataforma de Treinamento em compliance


Área de treinamento do Programa de Integridade do CEPP

Programa de Integridade

Conjunto de regras que define nossos valores e orienta as ações dos colaboradores. O norte de nossa missão

Canal de Denúncias

O CEPP mantém um canal criptografado que garante anonimato total aos denunciantes.

Transparência

O CEPP mantém um canal de Transparência onde publica os processos de compras e contratações,

Política de Privacidade

A privacidade dos visitantes dos nossos sites é muito importante para nós, e estamos comprometidos em protegê-la.

Manual de Compras

O Manual de Compras normatiza os processos de compra de materiais e de contratação de serviços realizados pelo CEPP

Conheça o nosso
Programa de
Integridade e Ética

Assine os termos e baixe o programa (obrigatório para todos os funcionários, prestadores de serviços e fornecedores)